Entenda
O que a colaboração significa para os trabalhadores do conhecimento: um conteúdo Miro

A mudança é a única constante na vida, como diz o ditado, e isto soa mais verdadeiro do que nunca para os trabalhadores do conhecimento de hoje . Vivemos numa época de mudanças radicais, desde as promessas e armadilhas do inteligência artificial (AI) para o setor de tecnologia cortes de trabalho e aprendendo a navegar em novos jeitos de trabalhar.

Parece então natural que as pessoas sintam a necessidade de melhorar as suas competências face a certas incertezas. Entrevistamos 669 trabalhadores do conhecimento em tempo integral baseados nos EUA para obter insights sobre quais habilidades eles consideram mais relevantes para o momento atual e para o futuro do trabalho. Descobrimos que a esmagadora maioria (97%) concorda que aprender uma nova competência pode ajudá-los a tornar os seus empregos “à prova de recessão” – e 89% planeiam fazê-lo este ano.

Mas as perspetivas sobre quais as competências a priorizar estão decididamente mais divididas, quer em termos de diferenças entre grupos geracionais, quer em termos dos tipos de competências que estão no topo da lista (ou atualmente em segundo plano) em geral. Uma análise mais detalhada revela novos insights sobre como os trabalhadores de hoje abordam a melhoria de competências neste momento único — e destaca competências interpessoais críticas que merecem maior atenção.

O futuro do trabalho depende de competências transversais – especialmente estas

Habilidades técnicas, como gerenciamento de projetos ou conhecimento de ferramentas específicas, há muito são um fator importante na avaliação da preparação para o trabalho de uma pessoa. Contudo, estes não contam toda a história e habilidades interpessoais como comunicação, organização e gerenciamento de tempo são frequentemente igualmente importantes.


Embora mais difíceis de medir, as habilidades interpessoais pode separar um bom membro da equipe de um excelente. Além disso, estas competências tornam-nos singularmente humanos – uma característica cada vez mais valiosa à medida que mais empresas se voltam para a IA.

Mas quais competências interpessoais os profissionais do conhecimento classificam como mais importantes? Curiosamente, suas respostas variam quando solicitadas a escolher por si mesmas em comparação com sua equipe ou gerente.

No que diz respeito às suas funções atuais, os trabalhadores do conhecimento dizem que as três competências interpessoais mais importantes de que necessitam são:

  • Resolução de problemas (36%)
  • Liderança (30%)
  • Comunicação (28%)

No entanto, identificam diferentes áreas prioritárias para as suas equipas e gestores. Os trabalhadores do conhecimento citam a gestão do tempo (26%) como a principal habilidade interpessoal para as equipes, seguida pela comunicação (25%) e pelo trabalho em equipe (23%). Para os gestores, a comunicação (28%) ocupa o primeiro lugar, seguida de perto pela liderança (27%) e por um vínculo triplo (21%) entre organização, escuta ativa e gestão do tempo.

A comunicação foi a única habilidade interpessoal classificada entre as três primeiras, destacando o seu papel central nas nossas experiências de trabalho em todos os níveis.

Mas será que os trabalhadores do conhecimento veem a colaboração como uma habilidade?

Embora os trabalhadores do conhecimento dependessem mais de conversas casuais no escritório para estabelecer conexões pessoais na era pré-pandemia, para os trabalhadores híbridos e remotos de hoje colaboração é o novo bebedouro. Mas será que os trabalhadores do conhecimento consideram a colaboração como uma competência a aprender e a desenvolver ao longo do tempo?

Nossas descobertas sugerem que os trabalhadores do conhecimento subestimam o poder da colaboração como uma habilidade a ser cultivada. Em comparação com outras competências transversais, classificaram a colaboração em 10º lugar em importância para si próprios e em nono para as suas equipas – e caiu para o 12º lugar para os gestores. Mas por que?

Dada a sua importância em locais de trabalho bem-sucedidos, é lógico que os trabalhadores vejam a colaboração como um atributo inerente a equipas fortes e bons parceiros, em vez de uma competência a aperfeiçoar. Mas, como todos os relacionamentos, a colaboração e o trabalho em equipe exigem trabalho. Isto é sem dúvida mais importante do que nunca a ascensão do trabalho assíncrono mudou como, quando e onde colaboramos.

Ao ver a colaboração através desta lente de implementação de novas ferramentas, sistemas e formas de trabalhar, ela se torna tanto uma habilidade interpessoal aprendida e praticada quanto o gerenciamento de tempo ou a adaptabilidade.

A colaboração pode construir (ou quebrar) relacionamentos

Embora a colaboração possa não ser uma competência prioritária, os dados sugerem que os trabalhadores do conhecimento ainda reconhecem que os riscos são elevados. Nos casos em que uma colaboração corre mal, quase metade (46%) dos inquiridos afirma que isso impactou negativamente as relações com colegas de trabalho com quem se davam bem anteriormente.

Esse número salta para 52% para a geração Y e impressionantes 61% para a geração Z, em comparação com números muito mais baixos para a geração X (35%) e os baby boomers (28%). Isto sugere, mais uma vez, que a colaboração é uma competência aprendida ao longo do tempo — e as gerações mais jovens podem necessitar de algum apoio à medida que desenvolvem esta capacidade.

As mudanças contínuas na forma como trabalhamos também podem estar afetando a forma como – e quão bem – colaboramos. Descobrimos que os trabalhadores em escritório são menos propensos a avaliar as suas próprias competências de colaboração como fortes (85%), em comparação com 94% dos trabalhadores remotos e híbridos.

Quanto às principais barreiras à colaboração, 38% dos trabalhadores do conhecimento citam encontrar as pessoas certas, enquanto 35% apontam para os desafios da coordenação dos horários de trabalho. 

A vantagem colaborativa diante da mudança

A colaboração continua a ser um princípio fundamental de equipas de sucesso, quer seja vista como uma habilidade interpessoal a cultivar ou simplesmente como um aspecto existente da dinâmica do local de trabalho. A implementação de ferramentas e sistemas de comunicação mais eficazes, como os utilizados para trabalho assíncrono, também pode remover barreiras à colaboração e agilizar os fluxos de trabalho para equipas distribuídas.

Não podemos controlar as pressões externas da economia ou da IA. Mas ter consciência do que é mais importante para os trabalhadores do conhecimento de hoje pode contribuir muito para ajudar as equipas a prepararem as suas estratégias para o futuro e, em última análise, a forma como trabalhamos.

Conteúdo publicado originalmente em: Blog Miro

Somos a Software.com.br, Representante Oficial Miro no Brasil e também referência em soluções de tecnologia para o mundo corporativo na América Latina. Conte com nossos consultores especializados em Licenciamento de Software, Cibersegurança, DevOps, Infraestrutura e Data Analytics.

Veja mais sobre Miro em nosso site: Software.com.br

Solicite um Orçamento


Você pode entrar em contato conosco para solicitar um orçamento.

Ao preencher os campos abaixo, você automaticamente concorda com nossos termos de uso e política de privacidade de dados. Saiba mais

Teremos muito prazer em atendê-lo!




Obrigado! Logo entraremos em contato!
Erro ao enviar mensagem.

Obrigado! Logo entraremos em contato!


Erro ao enviar mensagem.


Baixe o Guia Software.com.br 2024

Nossos Clientes


Solicite um orçamento Solicite um orçamento

Usamos cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de TODOS os cookies Saiba mais

Aceitar